Edital Doce apoia ações e gera cerca de 500 postos de trabalho em comunidades atingidas

Atualizado: Nov 11

Projeto que usa a equitação como ferramenta terapêutica tem favorecido o desenvolvimento motor e ampliado a autonomia de 30 crianças e adolescentes com necessidades especiais na cidade de Aimorés, em Minas Gerais. O Esporte Equestre - Capacitar para Fomentar, conduzido pela organização Anjos que Montam, é uma das 196 iniciativas apoiadas atualmente pelo Edital Doce, criado pela Fundação Renova para fomentar ações de cultura, turismo, esporte e lazer nas regiões atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão. Pelo edital, a Anjos que Montam recebeu recursos que estão sendo usados para capacitar profissionais e preparar os cavalos para as atividades terapêuticas.


“Uma família inteira é beneficiada com esse trabalho porque tiramos a criança de uma situação de ser totalmente dependente. Afinal, se você consegue controlar um animal de 500 quilos, o que você não controlaria na vida? Isso empodera demais. E propicia ganhos em motricidade, cognição, coordenação.”

Fernanda Cardoso,

coordenadora do projeto Esporte Equestre - Capacitar para Fomentar


Com repasses que totalizaram cerca de R$ 6,5 milhões, até o momento, os projetos apoiados pelo Edital geraram cerca de 500 postos de trabalhos e beneficiaram 63 mil pessoas. No total, serão destinados R$ 13,5 milhões para os 228 projetos selecionados pelo Edital Doce nos dois estados, sendo 87 no Espírito Santo e 141 em Minas Gerais.


“Todos os municípios de nossa área de abrangência tiveram projetos aprovados e isso tem gerado efeitos positivos nos territórios. As iniciativas garantem alternativas de lazer, esporte e cultura para as comunidades e transformam a vida das pessoas, além de promover mais qualidade de vida”.

Maria Cristina Aires,

coordenadora de Educação, Cultura e Turismo na Fundação Renova







A aplicação terapêutica dos cavalos também é utilizada por outro projeto selecionado pelo Edital Doce, o Equitação – Um Esporte Equestre Para Crianças Com Deficiência, conduzido pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) em Resplendor (MG). O cavalo e os três profissionais que atuam no projeto foram capacitados e preparados pela equipe da organização Anjos que Montam, de Aimorés. Atualmente, são oferecidas 80 aulas de equitação e equoterapia por mês em Resplendor, com duração de até 45 minutos, para até 20 crianças de 4 a 16 anos. Os recursos estão sendo destinados aos cuidados com o cavalo e à contratação dos profissionais: um equitador, que é quem ajuda a conduzir o cavalo, um professor de Educação Física com formação em equoterapia e um guia lateral responsável pela segurança do praticante.






Turismo de observação e ações de preservação


No Espírito Santo, os Institutos Baleia Jubarte e Ecomaris, apoiados pelo Edital Doce, promovem o turismo de observação, levando visitantes até bem próximos das baleias, e a conscientização ambiental a respeito da vida marinha de maneira geral. Todos os anos, entre os meses de julho e outubro, as baleias jubarte deixam as águas geladas da Antártida para se reproduzirem no mar quente de Abrolhos, na Bahia. No caminho, passam pela costa do Espírito Santo, nos municípios de Aracruz, Conceição da Barra, Linhares e São Mateus, onde podem ser vistas de perto pelos turistas.


O Instituto Baleia Jubarte trabalha na conservação marinha desde a década de 1980. Para o instituto, a observação de baleias promove melhorias socioambientais nas comunidades, além de configurar uma alternativa sustentável de trabalho e renda em relação à pesca. E é ainda a principal arma contra o retorno da caça comercial da baleia, que quase dizimou esses animais da costa brasileira. O Instituto Ecomaris é uma entidade científica privada, sem fins lucrativos, de cunho socioambiental, educacional e cultural. Foi criada em 2005 e se destaca por projetos envolvendo pesquisa e conservação de tartarugas marinhas, golfinhos e baleias jubarte.


Atuando em conjunto, os institutos promoveram capacitação técnica de 105 pessoas, em preparação para a temporada de observação das baleias, para postos como mestre de embarcação, agências e operadores de turismo.


“Devido aos esforços de preservação da espécie, isso pode contribuir para a expansão do turismo de observação pela costa do Espírito Santo.”

Paulo Rodrigues,

oceanógrafo responsável por elaborar os projetos dos dois institutos para receber os recursos do Edital Doce


Atividades lúdicas para 200 crianças


Para mobilizar as crianças em tempo de isolamento social, o marionetista Catin Nardi desenvolveu o Projeto Impulso Cultural. Apoiado pelo Edital Doce e Prefeitura de Mariana, a iniciativa levou para as crianças da região atividades educativas e recreativas gratuitas em um formato digital. Além de uma oficina de marionetes e fantoches produzidos com materiais recicláveis, também fizeram parte do projeto um espetáculo on-line de bonecos e uma exposição virtual das obras do artista e dos bonecos criados pelos alunos da oficina.





“A oficina foi oferecida, inicialmente, para 200 crianças, que receberam em casa os primeiros kits com material, mas a procura foi grande. Assim, acabaram participando mais pessoas espontaneamente. Já na oficina de manipulação, minha previsão era de 70 participantes e participaram 160.”

Catin Nardi,

marionetista e idealizador do Projeto Impulso Cultural


O projeto foi encerrado com o Pocket Show Kids, com os bonecos confeccionados pelos alunos das oficinas. As apresentações aconteceram de 6 a 13 de junho, pelo canal do Teatro Navegante de Catin Nardi, no YouTube. Também em junho, entrou no ar a exposição virtual dos bonecos que resultaram da oficina. As fotos podem ser conferidas no Flickr da companhia.


Conheça outros projetos apoiados pelo Edital Doce na videorreportagem abaixo: